Tudo tem a sua ocasião própria e há tempo para todo propósito debaixo do céu.

Há tempo de nascer e tempo de morrer; tempo de plantar e tempo de arrancar o que se plantou; tempo de matar e tempo de curar; tempo de derribar e tempo de edificar; tempo de chorar e tempo de rir; tempo de prantear e tempo de dançar; tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar e tempo de abster-se de abraçar; tempo de buscar e tempo de perder; tempo de guardar e tempo de deitar fora; tempo de rasgar e tempo de coser; tempo de estar calado, e tempo de falar; tempo de amar e tempo de odiar; tempo de guerra, e tempo de paz.

Que proveito tem o trabalhador naquilo em que trabalha?

Tenho visto o trabalho penoso que Deus deu aos filhos dos homens para nele se exercitarem.

Tudo fez formoso em seu tempo; também pôs na mente do homem a ideia da eternidade, se bem que este não possa descobrir a obra que Deus fez desde o princípio até o fim.

Sei que não há coisa melhor para eles do que se regozijarem e fazerem o bem enquanto viverem e também que todo homem coma e beba, e goze do bem de todo o seu trabalho é dom de Deus.

Eu sei que tudo quanto Deus faz durará eternamente; nada se lhe pode acrescentar, e nada se lhe pode tirar e isso Deus faz para que os homens temam diante dele:

O que é já existiu; e o que há de ser, também já existiu e Deus procura de novo o que já se passou.

Vi ainda debaixo do sol que no lugar da retidão estava a impiedade e que no lugar da justiça estava a impiedade ainda.

Eu disse no meu coração: Deus julgará o justo e o ímpio; porque há um tempo para todo propósito e para toda obra.

Disse eu no meu coração: Isso é por causa dos filhos dos homens, para que Deus possa prová-los e eles possam ver que são em si mesmos como os brutos.

Pois o que sucede aos filhos dos homens, isso mesmo também sucede aos brutos; uma e a mesma coisa lhes sucede; como morre um, assim morre o outro; todos têm o mesmo fôlego; e o homem não tem vantagem sobre os brutos; porque tudo é vaidade.

Todos vão para um lugar; todos são pó, e todos ao pó tornarão.

Quem sabe se o espírito dos filhos dos homens vai para cima, e se o espírito dos brutos desce para a terra?

Pelo que tenho visto que não há coisa melhor do que alegrar-se o homem nas suas obras; porque esse é o seu quinhão; pois quem o fará voltar para ver o que será depois dele?

 Extraído da Bíblia - Eclesiastes - Capítulo 3