A ciência Ocidental tem optado pelo lado material, pelo invólucro das coisas, sem prestar atenção ao seu interior. O autoconhecimento a que me refiro não é o conhecimento do vosso corpo e da matéria de que é feito, porém, o exame profundo do vosso “Eu”.

Com Vigilância, Intenção e o Sentir, podeis começar o vosso exame interior. O segredo está, como já vos disse, em não fazer esforço, em observar-se sem condenar-se e sem defender-se. O autoconhecimento através da autovigilância é um ato intencional que nos levará ao profundo sentimento de amor para conosco mesmos, primeiro passo para poder estender esse amor aos outros e ao infinito.

Pensais que seja difícil observar-se? Pensais em concentrações? Objetareis que precisais de um guru para orientar vossa meditação. Vou mostrar-vos o quanto é fácil, usando um sistema que veio do oriente e cujo “roubo” os Yogues vos perdoam pela utilidade que vos possa trazer: a psicanálise, o sofá do psiquiatra.

Tendes um problema, uma neurose, um recalque, ou outro desajustamento qualquer? Deitai-vos no divã. Soltai vossa taramela interior. Caminhai de fato em fato até que toqueis naquele que, jogado ao vosso mundo interior oculto, fora do vosso controle, recalcado e esquecido, causou-vos os malefícios de que vos queixais. Tão logo encontrais a causa e a aceitais, sem crítica, sem condenação e também sem aprovar, eis que o problema todo se esfuma como que por encanto. Isto os psicanalistas sabem fazer. Vós podeis fazer, sempre que tiverdes problemas, frustrações, conflitos, com essa vigilância eles sumirão. O psiquiatra, no entanto, não entende a causa de tal milagre. Explico-os: vosso ego é um conjunto de véus ou vestes que são vossos preconceitos, recalques, hábitos, costumes, condicionamentos, egoísmos, ambições ou desejos.

Toda vez que conseguirdes identificar um desses véus, ele cai por terra e conseguireis ver mais para dentro de vós mesmos. Com o psiquiatra chegareis a apenas ao ponto em que permanecereis nos condicionamentos de vosso ambiente, ou seja, com os véus que todos vossos vizinhos também possuem. Se trabalhardes por conta própria e examinardes um a um os véus dos desejos, ambições, condicionamentos, preconceitos, sem esforço, ireis jogando-os fora um a um até que estejais só Vós frente a Vós mesmos.

Enquanto seguirdes as ditas sociedades secretas em busca da perpetuação do vosso ego, em busca do poder e da riqueza, faltar-vos-á um véu a eliminar: o véu do egoísmo. Com ele não chegareis à Intuição, ao Amor Universal nem à Verdade. Enquanto seguirdes as religiões em busca da salvação pessoal, egoística, como passagem para o “céu”, tereis que nascer e renascer muitas vezes para poder libertar-vos um dia do último véu do ego. Enquanto lerdes esta mensagem em busca de solução externa, dada pelo guru, de nada vos há de servir porque a busca é interna. Lembrai-vos bem: o autoconhecimento é sem esforço e só pode ser feito por vós mesmos. O autoconhecimento liberta. Na medida em que vos conhecerdes, ficareis mais leves, pois estareis livres dos véus.

Adaptado do livro H’Sui Ramacheng de Mario Sanchez